Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Sou da geração do 'Por favor', 'Bom Dia', 'Com licença', 'Eu te amo', 'Até logo', 'Obrigado', do respeito aos pais e idosos, de pedir permissão, de saudar com um sorriso, de amar as pessoas pelo que elas são e não o que me dão ou têm a me dar. Fui ensinada a tratar as pessoas com carinho, lealdade e honestidade. Assim fui educada! Sou uma abelhinha que não para, estou sempre inventando algo novo, eu pinto porcelana, pinto óleo sobre tela, faço crochê, tricô, bordo e confecciono buquês para noivas com flores naturais ou mesmo de feltro! Arte é o meu modo de vida! CONTATO: martaloureirostar@gmail.com ou pelo CEL: 021 9444 4983

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Ripple em Tricô


Passeando pelo Ravelry, encontrei um cachecol,


que a amiga Raquel Macário havia postado no nosso grupo Tricô e Receitas 
e ficou curiosa a respeito do ponto.
Encontrei muitas receitas belíssimas, em tricô e crochê, infelizmente, nenhuma exatamente como queríamos!
Depois de muitas malhas desmanchadas, cheguei a esse resultado:


Ainda não é exatamente como o do cachecol,
mesmo assim, disponibilizo a receita...
clicando na foto, ela se ampliará!



Podia ter nascido acácia ou leopardo,
Gazela, colibri ou pirilampo.
Podia ser um funcho, um cravo, um cardo,
A pedra da muralha de um castelo
Ou um lírio-do-campo.
Qualquer coisa que eu fosse, eu era belo
Se os olhos que me vissem fossem belos.
E se o meu gato tivesse sido eu,
E eu fosse o meu gato simplesmente?
Por que razão nasceu
Na mesma noite um tigre, e eu nasci gente?
Mas eu sou gente como?
Este meu corpo
Sou eu,
sou eu somente
O corpo que me cabe nesta pele,
Ou sou mais do que ele?
Se eu tivesse nascido torto seria outro qualquer
Ou seria o mesmo, com um corpo torto?
Não nascendo rapaz, seria outra pessoa
Ou a mesma, num corpo de mulher?
Sou os cinco sentidos com que sei o Mundo,
Ou aquilo que sou hei-de encontrá-lo
Bem mais fundo?
Ou serei eu apenas o que como,
O meu corpo sou eu, e o alimento
Que o sustenta é que se torna eu?
Ou sou, mais do que tudo, um pensamento?
A memória do que fui e a ideia do que hei-de ser
É que me fazem ser,
Ou sou o pão que se faz carne que sente,
Ou o gato que ao nascer
Em vez de nascer gato nasceu gente?

(Daniel de Sá)

6 comentários:

  1. martita que lindo poema e para que dicer seus trabalhos lindos demais parabens um pracer ter conhesido voce es una linda pessoa un abraso grande

    ResponderExcluir
  2. Oi Marta,
    Tudo bem?Esse ripple me lembrou a receita da pantufa francesa(peguei no Tentando Tricotar) e quando eu consegui fazer achei que daria outra coisa.Assim como você colocou,dá,que legal!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Pois é, Eliana, eu não queria os buraquinhos das laçadas e precisava angular mais os bicos, por isso modifiquei essa receita francesa e usei o aumento do ponto Astracã, mas ainda vou fazer mais experiências com esse novo ponto...
    beijinhossssssssssss

    ResponderExcluir
  4. Olá Marta! Adorei seu blog, desde sua apresentação no perfil, seus trabalhos, poemas e suas muitas idéias e sugestões. Também sou da mesma geração que você e valorizo muito o respeito e a polidez. Amo artesanato e embora tenha pouco tempo para me dedicar a isso é o que faço sempre que posso. Parabéns e que Deus te abençoe sempre.Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Olá, adorei seu blog. Gostaria de uma ajuda, tenho foto de um cachecol que fica assim em bico mas o ponto dif, como faço pra te mandar a foto pra vc me orientar? Dese já agradeço!

    ResponderExcluir
  6. Olá, adorei seu blog. Gostaria de uma ajuda, tenho foto de um cachecol que fica assim em bico mas o ponto dif, como faço pra te mandar a foto pra vc me orientar? Dese já agradeço!

    ResponderExcluir

Meninas queridas, é um prazer receber seus comentários! Deixem seus e-mails ou endereços de blog por escrito, assim poderei responder a todas, ok? Beijinhosssssssssssss